JUL
12

Entrevista com Bene Barbosa Sobre a Audiência Pública na ALE – Assembleia Legislativa do ES, em 11 De Julho De 2016

Entrevista com Bene Barbosa Sobre a Audiência Pública na ALE – Assembleia Legislativa do ES, em 11 De Julho De 2016

Após visita ao CTVV – Clube de Tiro Vila Velha ( http://www.ctvv.com.br/) onde fomos recepcionados pelo grande amigo e parceiro Claudio Videira, com um longo bate papo com os associados e um almoço de confraternização nas dependências do Clube, fomos visitar no dia seguinte, após a “Audiência Pública na ALE” a empresa GUERREIROS ARTIGOS MILITARES ( https://www.lojaguerreiros.com.br/ ) onde fomos muito bem recebidos pelo também e mais novo amigo o Marcos Loureiro, que após apresentar toda a loja, nos ofereceu um belo café, oportunidade onde aproveitamos para uma breve entrevista com o BENE BARBOSA objetivando uma análise da “Audiência Pública” na ALE – Assembleia Legislativa do Estado do Espírito Santo.

Continuar lendo
33
  1284 Acessos
1284 Acessos
JUL
11

Armas de Fogo e o Desarmamento

Armas de Fogo e o Desarmamento

Na Audiência Pública convocada pelo Deputado Euclério Sampaio cujo tema: Armas de Fogo e o Desarmamento, ocorrido nesta data, o palestrante convidado foi o Bene Barbosa, Especialista em Segurança Pública e Presidente do MVB – Movimento Viva Brasil, que arduamente vem lutando desde o “Referendo de 2005 para que o Governo respeite a “Soberania Popular”, e agora convidado, comparece ao Espírito Santo para com sua palestra, colocar para todos, sua experiência e conhecimento técnico no tocante ao novo Projeto de Lei 176/2011, de autoria do senador Cristovam Buarque (PPS-DF), que propõe mudanças na Lei 10.826/2003, o Estatuto do Desarmamento.

Continuar lendo
24
  1149 Acessos
1149 Acessos
OUT
20

Bandidos usam Kit que faz pistola virar metralhadora

Bandidos usam Kit que faz pistola virar metralhadora

Há um equívoco quanto a matéria veiculada no jornal e também na TV Globo no Fantástico do dia 18 de outubro. O case ou kit como estão chamando, não é uma exclusividade americana, nem tão pouco um invento recente. É fabricado em Israel. Esse case já existe tem alguns anos, e diferentemente do noticiado, não foi criado para tiro esportivo e sim para ser usado como um acessório para policias e forças militiares em todo o mundo em razão da sua portabilidade e custo muito baixo, comparado com metralhadoras e fuzis. Hoje em dia esses cases são fabricados para atender a diversas pistolas fabricadas no mundo. Em relação ao adaptador que faz com que a pistola consiga dar "rajadas", a primeira vez que vi esse dispositivo foi em 1995 ou 1996 aqui mesmo no ES, portanto, não se trata de um acessório novo, porém, melhorado. A diferença é que esse dispositivo ao ser usado na pistola, sem o case, torna a pistola "instável" e sem precisão, com tendência a elevar o cano da pistola para o alto, entretanto, quando acoplado ao case, se torna uma arma com grande capacidade ofensiva, precisão e estabilidade, permitindo ataques precisos e defesas de pontos estratégicos, capacitando um só homem a conter um pequeno contingente de forças adversárias.

Continuar lendo
48
  3026 Acessos
3026 Acessos
OUT
13

Risco de Assalto na Grande Vitória - Os 33 semáforos do medo.

Risco de Assalto na Grande Vitória - Os 33 semáforos do medo.

A crise política avança também na área de segurança pública, fato constatado diariamente em matérias de jornais, televisões, rádios e mídias sociais. 

Evidente que falta gestão nas áreas de segurança pública, e pior, faltam políticas públicas de segurança pública e reaparelhamento das nossas polícias.

Impossível lutar, quando o inimigo está preparado e melhor equipado, neste caso espécifico, os bandidos estão cada vez mais bem armados com pistolas e fuzis importados, elém de contar com motos de última geração, enquanto nossa polícia vai para as ruas com armas obsoletas e inferiores, trabalhando em escalas exaustivas, com efetivo abaixo da crítica e sem estímulos. Já cansei de dizer que para combater bandidos que utilizam motos, a polícia tem que investir em muitas equipes de no mínimo 4 motocicletas, como já vi em outro estado que investiu em grupo de 4 motos sendo que em cada moto o efetivo era de dois policiais, um deles portanto metralhadora ou submetralhadora e com isso conseguiram acabar com roubos de cargas e diminuir crimes praticados por duplas em motocicletas.  

Passou da hora das nossas autoridades da área de segurança pública, sairem de seus gabinetes confortáveis e andaram nas ruas como cidadãos comuns, para que tenham a mesma sensação que nós, população, temos da falta de segurança. Está na hora, senhores, do Estado colocar sua cara na frente do campo de batalha e ir para o enfrentamento, ou seja, ir para o combate, pois até o momento, os bandidos estão ganhando de goleada.

Continuar lendo
16
  1219 Acessos
1219 Acessos
SET
16

ESTATUTO DO DESARMAMENTO - Comissão vota liberação de armas para taxistas

ESTATUTO DO DESARMAMENTO - Comissão vota liberação de armas para taxistas

Mais uma vez, em ano que antecede eleições, voltam a pauta matérias polêmicas que envolvem mudanças no “Estatuto do Desarmamento”. Na matéria de hoje, 16 de setembro de 2015, publicada no jornal “A Tribuna” as jornalista Eliane Proscholdt e Francine Spinassé, apresentam uma matéria muito bem elaborada.

Com propostas de flexibilização em alguns pontos do Estatuto do Desarmamento, deputados federais devem começar a votação amanhã de um projeto de lei que prevê, entre outras mudanças, a possibilidade de liberar armas de fogo para taxistas e caminhoneiros, dentro de seus veículos no horário de trabalho, e para agentes de trânsito.

O RELATO DE UM TAXISTA REALISTA

Taxista quer cabine blindada -  No currículo de um taxista de 39 anos, lembrança traumáticas de quem ficou sob a mira de armas e foi amordaçado em um dos quatro assaltos sofridos em 10 anos.

O pior deles foi em 2005, quando ele levava dois casais. No trajeto teve o rosto coberto por um capuz, foi amordaçado e jogado em uma mangue. Seu carro, um Vectra, foi roubado e achado depenado.

Por conta do trauma, ele se mudou para Barcelona, na Espanha, onde morou por três anos. “Lá, trabalhei como caminhoneiro, mas por conta da crise mundial de 2008, retornei.

Mesmo tendo passado sufoco, ele diz que trabalhar armado não seria a solução. “O ideal são cabines blindadas como é na Europa e em Manaus (Amazonas)”.

Continuar lendo
14
  1171 Acessos
1171 Acessos

Powered By Budō Creative.